“Precisamos de vacinas, urgente!”, diz Michele Caputo

O deputado MIchele Caputo (PSDB), coordenador da Frente Parlamentar do Coronavírus, pediu nesta terça-feira, 16, mais responsabilidade das autoridades do país em relação ao planejamento do plano de imunização do coronavírus. “O que tem faltado e estou cobrando das autoridades sanitárias em todo lugar e, principalmente, do Ministério da Saúde, é planejamento, respeitar as questões técnicas, a epidemiologia da doença, ouvir os profissionais que há muitos anos trabalham no controle de doenças graves”, disse.

A frente parlamentar completou um ano de atuação, debateu o impacto da doença, apresentou sugestões de enfrentamento do coronavírus e até visitou os laboratórios que agora estão produzindo as vacinas.”No Brasil, só fomos ter os primeiros casos seguidos de óbitos em abril e hoje temos milhões de contaminados e milhares de mortos, tanto no Paraná quanto no Brasil”.

“Isso (o planejamento) não está acontecendo da forma que deveria e hoje, o maior problema, é o acesso às vacinas. Perdemos oportunidades importantes, a vacina da Pfizer, a vacina do Butantam, a Astrazeneca, agora chegando a vacina da Sputnik”, completou o deputado.

Michele cobrou mais responsabilidade das autoridades nos três níveis de poder, municipais, estaduais e principalmente no governo federal. “Tem que saber que planejamento em relação ao coronavírus significa salvar vidas, significa aliviar a pressão sobre o sistema de saúde do Brasil. Todo canto em todo lugar, temos salas de vacinas preparadas e profissionais capacitados. Nós precisamos de mais vacinas, urgente”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Investigado por furar fila da vacina, jovem de 22 anos é preso após burlar sistema e tomar 3ª dose

O Paraná é o segundo estado com maior número de cidades inteligentes do Brasil, de acordo com o ranking Connected Smart Cities 2021, realizado pela empresa Urban Systems e divulgado nesta quarta-feira (1º). Das 100 cidades mais inteligentes do Brasil, nove são paranaenses. O Estado está empatado com Minas Gerais, e atrás apenas de São Paulo, que possui 37 municípios na lista. As cidades paranaenses que figuram no ranking geral são Curitiba (3º lugar nacional), Maringá (25º), Londrina (34º), Apucarana (41º), Foz do Iguaçu (44º), Cascavel (50º), Pato Branco (66º), Pinhais (74º) e Toledo (98º).

Para compor a nota de cada cidade, a metodologia do estudo engloba 75 indicadores de 11 eixos temáticos: mobilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo e governança. A pesquisa é realizada desde 2015 e avalia os 677 municípios brasileiros com mais de 50 mil habitantes, analisando as cidades com maior potencial de desenvolvimento do Brasil.

“O Paraná, exemplo mundial em desenvolvimento sustentável, mais uma vez se consolida como referência, desta vez em desenvolvimento urbano. O resultado da pesquisa endossa que o Governo do Estado possibilita essa evolução como um todo, fazendo com que diversas cidades concretizem sua vocação, não apenas investindo em tecnologia mas melhorando a qualidade de vida dos paranaenses como um todo”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

O superintendente de Inovação do Estado, Marcelo Rangel, endossa que o Paraná está fazendo sua parte no fomento à inovação e nos investimentos realizados em ecossistemas regionais. “Temos instituições e entidades que estão investindo muito na área de cidades inteligentes, criando incubadoras e aceleradoras que geram novas oportunidades de negócios tanto na área pública como no setor privado. Estando alinhados e trabalhando juntos. Os atores da inovação paranaense aceleram nosso desenvolvimento sustentável”, destacou.

CIDADES – Em 2021, o Paraná aumentou sua participação na pesquisa com relação aos anos anteriores. Em 2019 e 2020, o Estado contava com oito municípios ranqueados. Em 2021, com nove – as novidades são Pinhais e Apucarana, que não constavam no ranking de 2020, enquanto São José dos Pinhais saiu da lista.

Entre os índices avaliados, Pinhais é destaque nos indicadores relacionados ao meio ambiente, ficando em 5º lugar no setor. Já Apucarana tem bom desempenho em urbanismo: 17º do ranking temático.

DESTAQUE  Entre os destaques do Estado está Curitiba, que figura como terceiro lugar geral no País desde 2019. Em 2018, a cidade figurou no primeiro lugar da pesquisa em todo o Brasil. Em 2021, a Capital também ficou em primeiro lugar nos eixos de urbanismo e empreendedorismo, e apresentou um bom desempenho nos eixos de meio ambiente (3º lugar), tecnologia e inovação (5º), governança (17º), saúde (17º) e mobilidade (22º).

Maringá tem o segundo melhor escore do Estado, e foi elencada como a 7ª cidade mais inteligente do Sul. Suas melhores colocações estão nas áreas de economia (19º lugar), mobilidade (24º), tecnologia e inovação (28º) e empreendedorismo (30º).

Londrina também apresenta um bom cenário: 10º melhor município da região Sul, se destaca em saúde (14º), economia (20º) e urbanismo (25º). Já Foz do Iguaçu, 13º lugar na Região Sul, é 20º em empreendedorismo e 24º em meio ambiente.

Londrina, 34º da lista. Foto: José Fernando Ogura/AEN

MEIO AMBIENTE  Para além da lista criada pela performance geral dos municípios, a pesquisa cria um ranking dos 100 melhores colocados para cada um dos 11 eixos temáticos. Em um deles, o Paraná se sobressai ainda mais: meio ambiente.

Dos 100 municípios do eixo, 19 são paranaenses — quase um em cada cinco. A lista, liderada por Balneário Camboriú (SC) e Santos (SP), tem Curitiba em 3º lugar, seguida por Francisco Beltrão em 4º e Pinhais em 5º, além de Pato Branco em 9º.

Entre os indicadores considerados para este eixo, estão o percentual da população contemplada por saneamento básico, coleta de resíduos sólidos, recuperação de materiais recicláveis, idade média da frota dos veículos do município e potencial de geração de energias renováveis. Outros eixos temáticos com boa participação paranaense são os de saúde (11 municípios), empreendedorismo (10) e economia (9).

DESTAQUES TEMÁTICOS  Outras cidades paranaenses foram elencadas nos rankings temáticos, ficando entre os 100 melhores municípios daquele eixo.

Confira outros municípios citados pelo ranking:

Campo Largo: governança (32º), saúde (42º) e meio ambiente (76º)

Campo Mourão: meio ambiente (80º) e saúde (88º)

Castro: urbanismo (31º)

Fazenda Rio Grande: empreendedorismo (18º), meio ambiente (32º) e economia (68º)

Ibiporã: empreendedorismo (71º) e economia (79º)

Irati: empreendedorismo (74º)

Paranaguá: segurança (24º), meio ambiente (41º), mobilidade (88º)

Paranavaí: meio ambiente (77º)

Piraquara: meio ambiente (56º)

Ponta Grossa: tecnologia e inovação (44º) e empreendedorismo (69º)

São José dos Pinhais: empreendedorismo (46º), meio ambiente (54º), urbanismo (57º) e economia (57º)

Telêmaco Borba: meio ambiente (99º)

Umuarama: saúde (16º), meio ambiente (20º) e governança (98º)

União da Vitória: saúde (53º) e educação (62º).

Source link

Paraná continua sendo líder nacional em doações de órgãos; Setembro Verde incentiva conscientização

O Governo do Estado e a população paranaense ganharam uma ferramenta importante para prevenir corrupção e desvio de recursos em construções de equipamentos públicos e estradas. O governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionou, na última semana, a lei que prevê o monitoramento por vídeo de obras de engenharia do Estado.

O projeto foi elaborado pela Controladoria-Geral do Estado (CGE), recebeu emendas na Assembleia Legislativa e agora virou a Lei Estadual nº 20.685/21. O objetivo é aumentar a transparência e o controle social, além de permitir o acompanhamento remoto dos trabalhos contratados. O videomonitoramento permitirá a todo paranaense verificar a evolução de obras em tempo real pelo Portal da Transparência e denunciar irregularidades.

A novidade abrange obras e serviços de engenharia com valor superior a R$ 20 milhões, e o custo da implantação ficará a cargo da empresa vencedora da licitação. O cidadão também terá à disposição informações sobre o contrato, aditivos e valores por meio de um código QR-Code, que deverá estar impresso em todas as placas de obras do Governo do Paraná.

“O Paraná avança para ampliar a transparência e evitar que as obras públicas fiquem paradas, gastando recursos sem trazer benefícios à população. Agora todos os cidadãos paranaenses poderão contribuir com o Governo do Estado nesse controle”, afirmou Ratinho Junior.

INTEGRAÇÃO – O controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, explicou que o videomonitoramento integra o projeto Harpia, que reúne ferramentas de tecnologia para acompanhar todas as etapas de licitações. “As câmeras serão os ‘olhos’ da harpia, ave que ornamenta o brasão do Paraná”, comparou.

Ele explicou que essa inovação permitirá a participação das pessoas na fiscalização das obras. “Por meio das imagens, qualquer pessoa, inclusive a administração pública, poderá identificar se a obra está parada ou com baixa mobilidade, para que alguma providência seja tomada”, detalhou Siqueira.

Para ele, uma obra parada é pior que aquela não iniciada, principalmente pela deterioração natural da construção e por manter um “elefante branco”, que continua a consumir recursos públicos. “De certa forma, o videomonitoramento é uma garantia de continuidade da obra, que terá seu andamento acompanhado por servidores públicos, sem custos de deslocamento”, completou Siqueira.

Foto: AEN PR

CONTROLE SOCIAL – O projeto de videomonitoramento já está de acordo com a nova lei para licitações e contratos administrativos, a lei 14.133, de abril deste ano, que substituirá a Lei 8.666/93. No artigo 19, inciso III, da nova lei está explícito o acompanhamento de obras com recursos de imagem e vídeo. O mesmo artigo instrui a adoção de novas tecnologias e processos integrados.

O documento também atende a entidades de controle social ligadas à transparência pública, como Open Knowledge Brasil e Transparência Internacional. A disponibilização das imagens possui peso grande na avaliação dos estados feita pelas organizações da sociedade civil.

TRABALHO  O texto do projeto de lei foi elaborado pela Controladoria-Geral do Estado, sob a coordenação de Raul Siqueira. Ele elogiou, também, a colaboração de parlamentares estaduais na aprovação do videomonitoramento.

As empresas que estiverem com obras em curso terão seis meses para se adaptar ao novo modelo, que passará a constar em todos os editais de obras e serviços de engenharia contratados com o Governo do Paraná.

Source link