Paraná alcança 80,6% da população adulta vacinada com duas semanas de antecedência

O Paraná alcançou nesta terça-feira (17), com duas semanas de antecedência, a simbólica marca de 80% da população adulta imunizada com a primeira dose (D1) ou dose única (DU) da vacina contra a Covid-19 – a expectativa do Governo do Estado era que a meta fosse batida apenas no fim deste mês. O índice foi celebrado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior durante visita ao Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), local em que as vacinas ficam armazenadas em Curitiba.

“É, sem dúvida, um dia muito importante e especial para todos nós paranaenses. Chegamos a 80,6% das pessoas vacinadas, seja com a primeira ou a dose única, algo que pensávamos alcançar apenas no fim de agosto. Mais um passo que damos em busca da imunização completa no Paraná”, destacou Ratinho Junior.

De acordo com o Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), esse grupo é formado atualmente por 7.036.789 pessoas de uma população vacinável estimada em 8.720.953, ou seja, 80,6% daqueles com mais de 18 anos no Estado. Ainda segundo a ferramenta vinculada ao Ministério da Saúde, 6.719.256 pessoas receberam a D1 (CoronaVac, AstraZeneca ou Pfizer) e outras 317.533 DU, doses exclusivas da Janssen.

No total, somando também as segundas doses (D2), o Paraná completou 9.509.570 aplicações nesta terça-feira. “Conseguimos avançar a antecipar o cronograma, fruto de uma união de esforços de todos os profissionais da Secretaria de Estado da Saúde e também dos municípios, que são quem aplicam as vacinas E o que é melhor, chegamos com uma vacinação igualitária, com os municípios, pequenos ou grandes, na mesma condição.”, afirmou o governador.

Ratinho Junior lembrou que, com a antecipação, o Estado ganha fôlego para alcançar o segundo objetivo, que é vacinar 100% da população adulta com D1 ou DU até o fim de setembro. “É um novo cronograma, que vai reforçar o planejamento e o excelente ritmo que a vacinação alcançou no Paraná”, comentou.

O governador ressaltou que o aumento no número de imunizados permite à Secretaria de Estado da Saúde concentrar forças também na vacinação de crianças e adolescentes entre 12 e 17 anos – atualmente apenas o medicamento produzido pela Pfizer está autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação nesta faixa etária da população. “A ideia é começar em outubro, tão logo toda a população adulta tenha recebido ao menos a primeira ou a dose única”, disse.

Outro ponto, afirmou ele, é que o Estado consegue avançar também no planejamento para o retorno de eventos com público, como shows musicais e partidas de futebol. “Já está em estudo por parte da Secretaria da Saúde a melhor maneira de se organizar esses eventos. Mas, claro, sem afobação. Com público reduzido e todos vacinados com, ao menos, a primeira dose”, afirmou o governador.

Segunda Dose

Ratinho Junior destacou, também, que o Paraná não precisou desviar nenhuma dose destinada para segunda aplicação durante esses mais de oito meses de campanha vacinal contra a Covid-19, seguindo à risca o planejamento traçado pelo Ministério da Saúde. “Não entramos em nenhum tipo de competição, de Olimpíada da Vacina, para ver quem imuniza antes. Respeitamos os prazos e as doses para fazer com que o processo seja único para todas as cidades”, disse.

Secretário de Estado da Saúde, Beto Preto afirmou que até o momento 2.790.314 paranaenses completaram o esquema vacinal (D1 + D2 ou DU). O montante equivale a 32% da população adulta vacinável do Estado. “É importante reforçar a importância de se completar o ciclo. São as duas doses que garantem a imunização completa, o que realmente vai proteger as pessoas”, disse ele. “E também em relação à segunda dosagem estamos cumprindo o planejamento, com doses reservadas e garantidas, dentro do prazo”.

Municípios 

Os municípios que mais aplicaram vacinas na população, em quantidade absoluta de doses, foram Curitiba (1.675.100); Londrina (462.864); Maringá (423.735); São José dos Pinhais (271.314); Cascavel (265.805); Ponta Grossa (245.650); Foz do Iguaçu (229.232); Colombo (176.478); Paranaguá (172.159) e Guarapuava (162.943).

Ainda segundo o Vacinômetro do SUS, o Ministério da Saúde destinou ao Paraná 11.671.470 doses de imunizantes, sendo que 10.813.180 já foram entregues e 858.290 estão em processo de distribuição. Logo que chegam ao Estado, as vacinas são recebidas e divididas no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), para serem encaminhadas rapidamente aos municípios das 22 Regionais de Saúde.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Hemepar busca doação de plasma de pacientes que tiveram Covid

 

Pessoas que já se recuperaram da Covid-19 podem ajudar outros pacientes de uma forma bastante simples: doando plasma. Um dos componentes sanguíneos, justamente a parte líquida do sangue, o plasma de pacientes que tiveram a doença pode concentrar uma grande quantidade de anticorpos que agem no combate à infecção, é o chamado plasma hiperimune ou plasma convalescente.

Desde o ano passado, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) faz a coleta e a produção de plasma hiperimune para repassar a hospitais que usam a terapia como alternativa no tratamento dos pacientes internados. Mais de mil bolsas foram produzidas no período, mas para atender à demanda, que é diária, é necessário que mais pessoas façam a doação ao Hemepar.

 

Para isso, o paciente recuperado precisam esperar até 45 dias do diagnóstico do RT-PCR ou 30 dias após o fim dos sintomas. Também é necessário agendar a coleta no Hemepar AQUI

A coleta de sangue pode ser feita em qualquer unidade da Hemorrede no Paraná. Já a coleta somente do plasma, nas doações por aférese, é feita apenas em Curitiba, assim como a produção do material que é destinado aos hospitais. Para isso, o sangue do doador é analisado para ver a quantidade de anticorpos IgG (Imunoglobulina G) circulante. Caso haja uma boa titulação de anticorpos, é feita a produção. Cada bolsa de sangue produz 200 ml de plasma hiperimune.

Na outra técnica, a doação por aférese, uma máquina separa todos os componentes primários do sangue, podendo coletá-los individualmente. Dessa forma, só o plasma é retirado, e em maior quantidade. “Com a aférese, conseguimos coletar até 600 ml de plasma, o que corresponde a três doses. Além disso, as pessoas podem doar uma vez por semana, diferente da doação de sangue convencional, que só pode ser feita novamente com um intervalo de 60 a 90 dias”, explica a diretora-geral do Hemepar, Liana Labre de Souza.

 

Terapia

A transfusão de plasma convalescente é experimentada há tempos como terapia para doenças infecciosas. Chegou a ser usada na pandemia de gripe espanhola, no início do século passado, e também em surtos mais recentes, como do sarampo, da influenza e até do ebola. O Hemepar prepara um estudo junto com médicos do Hospital do Rocio, de Campo Largo, Região Metropolitana de Curitiba, para avaliar a efetividade da terapia.

No caso da doença causada pelo novo coronavírus, a transfusão é feita no início da infecção, nos primeiros cinco dias, em pacientes que não estejam com o pulmão muito comprometido e sempre com autorização dos familiares. “Temos efetivamente bons resultados com o plasma convalescente, e um estudo será publicado com essa avaliação nos pacientes com Covid-19. Mas ainda é tudo muito empírico, é preciso que mais trabalhos científicos sejam publicados”, afirma Liana.

“A Covid-19 é uma doença nova, e os médicos e cientistas ainda buscam por um tratamento eficaz. As terapêuticas que temos hoje, inclusive a transfusão de plasma, ainda não tratam a patologia, mas dão uma boa melhorada. Temos boas respostas em alguns pacientes, e resposta nenhuma em outros”, ressalva. “Mesmo depois de um ano de pandemia, ainda não há um tratamento de eleição, somente indicativos de melhora. O que se sabe de concreto é que distanciamento, uso de máscaras e higiene das mãos é o que efetivamente dá certo”, acrescenta.

 

No Dia da Mulher, Nota Paraná faz uma nova milionária em Curitiba

No Dia Internacional da Mulher, duas mulheres ganharam os maiores prêmios do Programa Nota Paraná. O maior deles, no valor de R$ 1 milhão, saiu para uma contribuinte de Curitiba. O segundo prêmio, de R$ 200 mil, foi para outra paranaense, de Palmas, no Sudoeste do Estado. O sorteio aconteceu na manhã desta segunda-feira (08).

Além desses, foram sorteados 40 prêmios de R$ 10 mil e 40 mil prêmios de R$ 10. Ainda nesta semana as vencedoras serão notificadas pela coordenação do programa e terão os valores depositados nas contas correntes cadastradas.

 

Através dos sorteios o programa distribui mensalmente R$ 4,2 milhões – R$ 2 milhões entre consumidores que solicitam CPF na nota e R$ 2,2 milhões para entidades que cadastram o CNPJ e/ou recebem doações de notas fiscais. Outros R$ 800 mil serão sorteados entre os contribuintes que se credenciaram no Paraná Pay, cujo primeiro sorteio foi adiado devido às restrições impostas pela pandemia de Covid-19.

 

Créditos

 

Também nesta segunda-feira, o Programa Nota Paraná liberou os créditos para os consumidores que solicitaram CPF na nota nas compras de dezembro.

São R$ 31 milhões, sendo R$ 28,2 milhões para consumidores com CPF identificado e R$ 2,8 milhões para instituições com CNPJ informado. O valor é o maior em 11 meses e representa um acréscimo de R$ 7 milhões em comparação ao valor restituído do mês de fevereiro, que foi de R$ 24 milhões.

Confira as 10 instituições premiadas com R$ 20 mil:

1. Associação Ministério Melhor Viver – Ponta Grossa

2. Hospital Nossa Senhora das Graças – Curitiba

3. União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer – Cascavel

4. Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo – Laranjeiras do Sul

5. Associação de Pais e Amigos do Karatê – Ponta Grossa

6. Hospital Nossa Senhora das Graças – Curitiba

7. Associação Cultural e Educação Infantil Menino Jesus – Maringá

8. Corbélia Proteção Animal – Corbélia

9. Clube das Mães Unidas – Londrina

10. Associação Paranaense de Cultura – APC – Curitiba